Ler com Prazer

Eu acredito seriamente que os livros não foram feitos para enfeitar a estante. Por isso, há muito tempo deixei de guardar livros e passei a absorvê-los. Eu compro, leio e finalmente vendo o livro para que ele continue sua missão de educar, informar, entreter e fabricar sonhos!

A campanha abaixo foi promovida pelo site Estante Virtual, onde compro e vendo quase tudo que leio!


Leia sem seguir referências ou tendências
Quando criança, você foi ensinado que os clássicos devem ser cultuados. Já na fase adulta, teve que se acostumar com as intermináveis listas de referências bibliográficas acadêmicas e profissionais. E para completar, o mercado editorial dita, a todo momento, novas tendências literárias. Como encontrar prazer em meio a tudo isso? A resposta é simples: liberte-se! Escolha o livro que quer ler com base, unicamente, nos seus interesses, gostos e curiosidades.

Leia sem obrigações ou metas
Na escola, você recebia uma lista obrigatória de livros e as datas das provas que avaliariam sua leitura. Assim, aprendeu a associar leitura somente à obrigação. Mas ler também pode ser sinônimo de prazer. Cada um tem o direito de ler no ritmo e na ordem que preferir: rápido ou lentamente, um livro por vez ou vários ao mesmo tempo, pular ou reler trechos, ler o final antes do começo, gostar de um livro ou mesmo abandoná-lo.

Leia sem se limitar a lugares ou situações
Durante todos esses anos, você também aprendeu que leitura tem lugar determinado e hora certa. Mas ler é um ato que pode ser feito em qualquer lugar, dos tradicionais aos mais inusitados. A qualquer hora, todos os dias, nos finais de semana ou só quando sentir vontade.

Gostou dessa ideia? Então reinvente a leitura na sua vida, crie suas próprias regras e leia com prazer!

Anúncios

Despedida do TREMA

despedida

Estou indo embora. Não há mais lugar para mim. Eu sou o trema.Você pode nunca ter reparado em mim, mas eu estava sempre ali, na Anhangüera, nos aqüiféros, nas lingüiças e seus trocadilhos por mais de quatrocentos e cinqüentas anos.

Mas os tempos mudaram. Inventaram uma tal de reforma ortográfica e eu simplesmente tô fora. Fui expulso pra sempre do dicionário. Seus ingratos! Isso é uma delinqüência de lingüistas grandiloqüentes!…

O resto dos pontos e o alfabeto não me deram o menor apoio… A letra U se disse aliviada porque vou finalmente sair de cima dela. O dois pontos disse que  sou um preguiçoso que trabalha deitado enquanto ele fica em pé.

Até o cedilha foi a favor da minha expulsão, aquele C cagão que fica se passando por S e nunca tem coragem de iniciar uma palavra. E também tem aquele obeso do O e o anoréxico do I. Desesperado, tentei chamar o ponto final pra trabalharmos juntos, fazendo um bico de reticências, mas ele negou, sempre encerrando logo todas as discussões.

Será que se deixar um topete moicano posso me passar por aspas?…

A verdade é que estou fora de moda. Quem está na moda são os estrangeiros, é o K, o W "Kkk" pra cá, "www" pra lá.

Até o jogo da velha, que ninguém nunca ligou, virou celebridade nesse tal de Twitter, que aliás, deveria se chamar TÜITER. Chega de argüição, mas estejam certos, seus moderninhos: haverá conseqüências!

Chega de piadinhas dizendo que estou "tremendo" de medo. Tudo bem, vou-me embora da língua portuguesa. Foi bom enquanto durou. Vou para o alemão, lá eles adoram os tremas. E um dia vocês sentirão saudades.

E não vão agüentar!…

Nos vemos nos livros antigos. Saio da língua para entrar na história.

Adeus, trema.

IOF: Ficou mais caro colocar o Pé da Estrada

O que fazer depois da maxitributação do cartão de crédito nas compras internacionais?

Não há uma resposta simples para esta pergunta. Além da paulada do IOF de 6,38%, o turista ganhou um monte de cáculos para fazer.

Antes de mais nada, é bom ter uma coisa em mente:

– Não existe operação de câmbio em que você não saia perdendo.

Por definição, cada vez que você compra ou vende uma moeda, você está perdendo um pouco. Operação de câmbio é bom pra banco e pra cambista. O objetivo do consumidor é reduzir suas perdas ao mínimo possível.

– A questão não é só 0,38% x 6,38%.

Mal foi promulgado o decreto-lei e já apareceu emissor de cartão de débito internacional (tipo Visa Travel Money) dizendo que esta modalidade ficou “6% mais barata” do que cartão de crédito. Não é bem assim. Há outros números envolvidos. É preciso levar em conta qual a cotação usada para a venda. Quanto custa o dólar do cartão de crédito? Quanto custa o dólar do cartão de débito? Quanto custa o dólar cash? Esses números são tão importantes quanto a alíquota do imposto.

– Quanto custa o seu dólar? R$ 1,66? R$ 1,67? R$ 1,70? R$ 1,72? R$ 1,76? R$ 1,81?

Essas são as várias cotações do dólar apuradas esta semana. R$ 1,66 e R$ 1,67 são as cotações do dólar em cartões Itaú, Caixa e Banrisul. R$ 1,70 é como estão convertendo Banco do Brasil e HSBC. R$ 1,72 parece ser a cotação mais comum do mercado, adotada por Bradesco, Santander, Citibank/Diners e American Express. R$ 1,76 é o dólar-turismo, que é a cotação-base para venda de dólar cash e cartão de débito internacional (tipo Visa Travel Money); dependendo da praça, do banco ou da corretora, pode ficar um pouco mais caro do que isso. E finalmente R$ 1,81 é quanto está custando o dólar no mercado paralelo.

Um dólar de cartão de crédito a R$ 1,66 ou R$ 1,67 (+ IOF de 6,38%) custa exatamente o mesmo de um dólar de cartão cash ou de cartão de débito a R$ 1,76 (+ IOF de 0,38%).

A tendência é, pelo menos num primeiro momento, a cotação do dólar-turismo subir (já subiu 1,5% desde o anúncio da medida, enquanto o dólar comercial declinou 1%).

Bem-vindo ao maravilhoso mundo das contas

Acho importante ressaltar é que não cabe mais nenhum raciocínio generalista-simplista. Não é porque o IOF de uma modalidade é menor do que outra que o custo final seja necessariamente menor. Não é porque o site cobra em reais que seu preço vai ser sempre menor do que o site que cobra em dólar. Muita gente deve aparecer com essa história de 6% mais barato. Mas é preciso comparar preço a preço.

Pese os pós, contras e pegadinhas de cada um dos canais de compra e meios de pagamento:

DÓLAR, EURO OU LIBRA CASH

Prós: IOF continua em 0,38%. Você garante a cotação do dia da compra, sem sustos posteriores.

Contras: é vendido pelo dólar-turismo (mais alto, com tendência de alta). Não é seguro levar grandes quantidades. Se precisar trocar de novo no exterior, dá trabalho (e custa tempo) para procurar a casa de câmbio onde a perda seja menor.

SAQUE INTERNACIONAL EM CAIXA AUTOMÁTICO

Prós: IOF continua em 0,38%. Em muitos bancos a cotação é próxima ao dólar comercial (mais barata que a do dólar-cash, que usa a cotação turismo). Na maioria dos bancos você garante a cotação do dia do saque, sem sustos posteriores.

Contras: há taxas por operação, que variam de banco para banco, de conta para conta e de rede para rede (é difícil, porém, que representem mais do que a diferença entre a cotação comercial — caso o seu banco use — e a cotação turismo, do dólar cash). Mesmo quando a cotação compensa, não é possível custear uma viagem inteira só com saques no caixa automático: há limites de saques por dia, semana ou mês (conforme o banco); o limite de saques não é igual ao saldo em conta corrente.

CARTÃO DE BANCO USADO NA FUNÇÃO DÉBITO (Electron/Maestro)

(Tinha esquecido desta, obrigado por lembrarem!)

Prós. Continua com IOF de 0,38%. Alguns bancos, como Itaú, Caixa e Banrisul, praticam um câmbio próximo ao comercial. Para usar, basta habilitar seu cartão para saques internacionais; não é preciso fazer um cartão específico.

Contras. O limite é baixo (não é igual ao seu saldo em conta) e interefere no limite para saques de caixa automático.

CARTÃO DE DÉBITO (Visa Travel Money, Cash Passport Visa/MasterCard, Global Traveler American Express)

Prós: o IOF continua em 0,38%. Você garante a cotação do dia da compra, sem sustos posteriores. O cartão pode ser recarregado à distância, por internet banking (é o melhor plano B que existe para qualquer contratempo financeiro; ninguém deveria sair do país sem um desses no bolso). Em caso de perda ou roubo, é substituído durante a viagem. Em muitos países funciona com senha, o que aumenta a segurança. Pode ser emitido em dólar, euro ou libra.

Contras: é vendido na cotação-turismo e, uma vez comprado, só pode ser recarregado na corretora que vendeu o cartão (não dá para recarregar numa corretora que eventualmente venda a moeda por uma cotação melhor). Funciona melhor para compras do que para saques (há incidência de taxas a cada saque, e o limite por operação é baixo). Não funciona 100% em compras online. A conversão para outras moedas (diferentes da moeda que foi carregada) incorre em taxas maiores do que as dos cartões de crédito.

TRAVELER CHEQUES

Prós: o IOF continua em 0,38%. Em caso de perda ou roubo, é restituído. Nos Estados Unidos funciona como moeda corrente: qualquer comerciante vai aceitar e dar muitos estabelecimentos aceitam e dão troco em dinheiro vivo, sobretudo hotéis e lojas de departamentos.

Contras: é vendido na cotação turismo. Fora dos Estados Unidos, dá um trabalhão para ser trocado; encontrar quem troque sem taxa está cada vez mais difícil. Seu sucessor natural é o cartão de débito internacional.

CARTÃO DE CRÉDITO

Prós: alguns bancos, como Itaú, Caixa e Banrisul, praticam uma cotação próxima ao dólar comercial, que faz com que, mesmo com a incidência de IOF de 6,38%, o custo do dólar seja equivalente ao do dólar-cash. Pode oferecer recompensas, como milhas (e as milhas acumuladas durante uma viagem internacional podem ajudar a completar uma passagem-prêmio). Oferece a segurança do estorno de pagamentos por serviços não realizados.

Contras: o IOF aumentou para 6,8%. Pode haver variação cambial entre a data da compra e a data do vencimento da fatura. Alguns bancos, como Santander, Citi e Bradesco, praticam uma taxa de conversão pouco vantajosa, entre o câmbio comercial e o turismo. É preciso lembrar a todo momento que o preço que você está pagando terá um acréscimo de quase 7%.

SITES DE COMPRAS E RESERVAS

Em princípio, tudo o que for pago em real é mais vantajoso, porque não há incidência de IOF. Mas é preciso comparar os preços finais (na penúltima página, depois que todas as taxas são incorporadas). É possível que continue havendo ofertas vantajosas nos sites internacionais.

Mistura e manda

Mais do que nunca é preciso considerar todas as possibilidades. Como o meu cartão de crédito pratica um câmbio favorável, eu vou manter a minha fórmula: uma quantia fixa em dinheiro vivo para emergências, saques no caixa automático para o dinheiro do dia a dia, cartão de crédito para gastos maiores e cartão de débito como plano B.

And the winner is…

Pacotes all-inclusive para o exterior vendidos no Brasil…

Fique de olho:

A medida foi tomada de surpresa. Vale acompanhar não só o comportamento da cotação do dólar-turismo, como também a reação dos cartões de crédito: caso sintam o baque, podem acenar ao mercado com ajustes na taxa de câmbio praticada ou na proporção de milhas auferidas em compras no exterior.

Peugeot 307 com Perda Total é vendido e Montadora diz que é seguro

Imagina, você compra um carro semi-novo, depois descobre que este mesmo carro caiu na Lagoa da Pampulha, Belo Horizonte-MG e foi dado perda-total no veículo. E agora?1?!

Notícias Automotivas – CarrosPeugeot: Com perda total, 307 é revendido e montadora diz que o carro está bom

307 pampulha 1 Peugeot: Com perda total, 307 é revendido e montadora diz que o carro está bom

Em 2009, o médico Amilton Cabral Junior levou seu Peugeot 307 07/07 automático para uma revisão na concessionária Vernon de Belo Horizonte. Quando retornou à revenda para retirar o veículo, descobriu que o mesmo havia mergulhado na Lagoa da Pampulha. Naquela época, o veículo teve perda total, sendo o proprietário indenizado legalmente. O tempo passou e um ano depois um Peugeot 307 07/07 automático foi vendido na Vernon para o coordenador de marketing Ronaldo Aguiar Oliveira.

307 pampulha 2 Peugeot: Com perda total, 307 é revendido e montadora diz que o carro está bom

Algum tempo depois, Ronaldo vai a uma oficina mecânica para substituir o filtro de combustível e descobre vestígios de lama. Intrigado, ele procura informações na internet e descobre uma reportagem sobre o 307 que mergulhou na Pampulha. Não deu outra! Era o seu carro, que, aliás, nunca dava alinhamento de direção. Então, o novo proprietário do 307 “Pampulha” entrou em negociação com a concessionária alegando que não foi informado de sua procedência e recebeu uma proposta para resolução do problema.

307 pampulha 3 Peugeot: Com perda total, 307 é revendido e montadora diz que o carro está bom

No entanto, a Peugeot afirma que através de inspeções e correções, verificou-se que o veículo tem sim condições de uso e sua segurança não foi comprometida, ainda recomendando ao atual dono que troque quatro pneus, faça balanceamento e alinhamento, fala higienização do carpete e substituição da forração do porta-malas.

307 pampulha 4 Peugeot: Com perda total, 307 é revendido e montadora diz que o carro está bom

Enfim, sem chance de ser indenizado de alguma forma pela Peugeot, Ronaldo entrou em um acordo extrajudicial “sigiloso” com a Vernon. Ou seja, a Peugeot alega que o carro está bom, mesmo sabendo que a revenda deu perda total. Assim, quem levou o carro agora, teve que recorrer a tal acordo com a revenda para reduzir seu prejuízo. Repare nas imagens o “bom” trabalho feito no 307 que teve perda total. Quem tiver carro que sofreu com enchentes, já sabe onde levar em Belo Horizonte.[Fonte: O Estado de Minas]

Aluga-se casa somente para cristãos

Num classificado de jornal: “TENHO CASA PARA ALUGAR: SOMENTE PARA CRISTÃOS”

No dia seguinte, apareceu um interessado.
O dono das casas, um cara muito mal educado, o atendeu:
– O que é que o senhor deseja?
– Estou querendo alugar uma casa.
– Sei, sei! E qual o seu nome?
– David Rosemberg!
– Não, não, não! Eu não alugo casa para judeu! O senhor não sabe ler, não? Não viu escrito lá no jornal que eu só alugo casa para cristãos?
– Tá certo, eu vi! Eu sou judeu, mas também sou cristão …
– Que é isso, rapaz! Pensa que eu sou idiota? Não existe judeu cristão!
– Mas eu garanto para o senhor: eu sou judeu e sou cristão!
– Ah, é! Então eu vou fazer um teste com você. Vamos ver se você é cristão mesmo! O que é que tem dentro da Igreja Católica?
– A sacristia …
– O que mais?
– Tem o Santo Sudário, o altar, o confessionário ….
– Tá, chega, e Jesus é filho de quem?
– De José e Maria
– E onde Jesus nasceu?
– Em Belém!
– Eu sei que foi em Belém! Eu tô falando do local, da casa!
– Não era uma casa! Era um estábulo.
– E por que num estábulo?
– Porque naquela época, já existia um filho da p#%@ igual a você, que não alugava casa para judeu!